whatsapp.png

Faça parte da nossa rede de apoio ao empreendedorismo laboratorial e receba notícias em seu e-mail e material bônus em seu Whatsapp. 

Clique e conheça nossos apoiadores:

Logo aceleralab.png
Cepheid-logo-horizontal.png
SBAC.png
logo.png

O que Pode Levar o Laboratório à Falência


No Brasil, a taxa de insucesso das empresas é alta. De acordo com uma pesquisa intitulada “Demografia das Empresas”, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), estima-se que mais de 60% das organizações poderão fechar as portas em até cinco anos após a sua inauguração. O motivo não se trata apenas da concorrência desleal ou da crise econômica: existem várias razões para um negócio fracassar. Na pauta de hoje, discutiremos as ocorrências mais comuns que podem levar um laboratório à falência.

Expandir um negócio recém-inaugurado

Quando um negócio, que iniciou a pouco tempo, começa a dar lucro, muitos gestores decidem expandir e investir ainda mais no laboratório, mas a verdade é que os negócios, independente do segmento, passam por uma fase inicial de maturação, o que significa que diversas questões ainda podem se tornar incertas, como é o caso do volume de pacientes atendidos por dia, do aumento no valor dos impostos ou taxas de importação, etc. Essas variações, embora pareçam pequenas, propiciam uma série de prejuízos em um fluxo de caixa já descapitalizado por investimentos.

Planejamento estratégico fraco (ou inexistente)

Alguns laboratórios são geridos apenas pela experiência e pelo instinto dos seus fundadores, sem muito planejamento ou expertise sobre o negócio. Justamente por isso, esses laboratórios tendem a ficar estagnados e, na pior das hipóteses, acabam tendo que fechar as portas depois de um tempo. O planejamento estratégico é o que guia todas as ações necessárias para que determinado objetivo se concretize. Sendo assim, deve ser elaborado considerando as oportunidades do ambiente externo juntamente com uma análise interna de como o laboratório pode atingir objetivos futuros.

Falta de habilidades na hora de gerenciar o dinheiro

Gerenciar o dinheiro de uma empresa não é uma tarefa fácil, e grande parte do mercado de pequenos e médios laboratórios desconhece o custo dos seus exames. Seja por falta de experiência, seja por falta de ferramentas funcionais, conquistar dívidas e ter um dispêndio alto dentro do laboratório são caminhos que levam direto para o fracasso. Veja alguns pontos que um gestor habilidoso com finanças busca atentar:

- Diminuição do risco de contrair dívidas;

- Precificação e competitividade;

- Redução de custos, sem perder qualidade;

- Aumento da lucratividade;

- Mais qualidade para produtos e serviços.

Rígido modelo de negócios

Burocracia desnecessária, o que atrasa a rotina, rigidez nos processos e pensamento imutável são alguns dos pontos que prejudicam a evolução e o crescimento de um negócio. Os laboratórios que progridem tendem a possuir uma hierarquia mais horizontal, com funcionários que participam da tomada de decisão, gerando, assim, maior flexibilização de processos, característica-chave para se adaptar aos novos tempos e às mudanças abruptas do mercado.

Péssimo atendimento ao cliente

Não se ater em aprimorar a experiência do paciente é extremamente tóxico para o andamento de um negócio. Pacientes que não voltam, e que ainda disseminam uma opinião negativa a respeito do atendimento do laboratório, podem trazer uma visão péssima para a empresa, acarretando no afastamento de um número ainda maior de clientes e, em alguns cenários, no descredenciamento de laboratórios de convênios com participação importante para o faturamento. Veja alguns indícios de um atendimento ruim:

- Reclamação de pacientes no balcão da recepção;

- Falta de atenção e empatia para com os problemas do paciente;

- Laboratório que não cumpre o prometido;

- Demora para resolver os problemas levantados pelo paciente;

- Respostas grosseiras dadas ao paciente;

- Profissionais que não sabem tirar as dúvidas do paciente;

- Ambiente precário, barulhento ou desorganizado;

- Os pacientes, de alguma forma, sentem-se lesados pelo laboratório.

Associar-se a pessoas com outro perfil

Abrir uma empresa com outra pessoa tem quase o mesmo impacto que casar-se com alguém. Com receio de iniciar um negócio sozinho, não é difícil encontrar gestores que se associaram a pessoas com perfil diferente do seu, sem o mesmo ímpeto e dedicação, e que acabaram prejudicando a empresa. Na hora de escolher um sócio, não é apenas o dinheiro que deve ser levado em conta, mas as habilidades da pessoa como gestor e o seu conhecimento.

Desmotivar-se facilmente

Toda empresa tem altos e baixos, e estar empregado com carteira assinada é muito diferente de gerir o próprio negócio. Os riscos aumentam, e a responsabilidade passa a ser apenas do gestor (e não do patrão). Dessa forma, quando as coisas não ocorrem como o planejado, a pressão aumenta, e o gestor se sente desmotivado, dois fatores que, aliados, levam à desistência do negócio.

Não ter um plano de contingência

Ter um plano de contingência eficaz é crucial para a segurança do laboratório, pois minimiza o impacto dramático no negócio frente a situações perigosas. O plano de contingência pode ajudar com:

- Danos no servidor e perda de dados do LIS;

- Demissão inesperada de funcionário;

- Falecimento de alguém importante para o funcionamento do laboratório;

- Inflação;

- Recessões;

- Desastres naturais.

O fracasso é um medo real, mas aprender com os erros pode ajudá-lo a fortalecer significativamente suas estratégias de negócios. Os pontos mencionados acima apresentam as principais razões do insucesso empresarial. Assim, basta tê-las em mente para transformar o laboratório em um negócio profícuo e perpétuo.

#fracasso #falência