whatsapp.png

Faça parte da nossa rede de apoio ao empreendedorismo laboratorial e receba notícias em seu e-mail e material bônus em seu Whatsapp. 

Clique e conheça nossos apoiadores:

Logo aceleralab.png
Cepheid-logo-horizontal.png
SBAC.png
logo.png

Laboratório que encanta - Laboratório Vanderlei Machado


Dr. Vanderlei Machado e Dra. Érica Machado

O laboratório que encanta de abril fez 45 anos no começo deste ano, e é muito respeitado em todo o Brasil. Seu fundador é ninguém menos do que Dr. Vanderlei Machado, ex-Presidente da Sociedade Brasileira de Análises Clínicas Regional de Minas Gerais, ex-Presidente do Conselho Regional de Farmácia de Minas Gerais e ex-Professor da Universidade Federal de Ouro Preto, onde lecionou por 31 anos. Atualmente é Secretário da Sociedade Brasileira de Análises Clínicas Regional de Minas Gerais, Membro da Comissão Fiscal da Sociedade Brasileira de Análises Clínicas Nacional e recém eleito Presidente da Fundação Ezequiel Dias - FUNED.

Além da brilhante visão do Dr. Vanderlei Machado, o laboratório conta com um reforço de peso: a Dra. Érica Machado, filha do Dr. Vanderlei que assumiu conjuntamente a direção do negócio. Érica é graduada em Farmácia - Bioquímica pela Universidade do Grande Rio e especializou-se em Análises Clínicas pela UFMG. Preocupada em melhorar o atendimento do laboratório e otimizar a gestão, Érica também é formada em Administração pela Universidade Federal de Ouro Preto, e complementou seus estudos com uma pós-graduação em Gestão de Negócios pela Fundação Getúlio Vargas.

Na entrevista do laboratório que encanta de hoje, o Dr. Vanderlei Machado conta um pouco da história do laboratório homônimo, e como mantém seu altíssimo padrão de qualidade mesmo após 45 anos de sua fundação.

Dr. Vanderlei Machado, como foi a decisão de abrir o laboratório?

Quando me formei, saí visitando várias cidades e fazendo um pesquisa de mercado. Meu destino inicial foi em Apucarana e Londrina, no norte do Paraná, onde tinha um amigo de bom relacionamento que poderia me ajudar. Com tudo certo para o início, inclusive com a promessa de vários convênios, entrou um pedido de Mãe: “não gostaria que você fosse para tão longe”. O Hospital de Mariana tinha sido inaugurado fazia dois anos e ainda não tinha um laboratório - o mais próximo ficava a 12 quilômetros. Mariana tinha uma população pequena e só dois médicos. Atendi o pedido e com as bênçãos dela, no dia 3 de fevereiro de 1973 comecei minha história profissional. Na sua percepção quais foram as principais mudanças no cenário de lá pra cá?

Foram muitas, entre elas: - Os avanços da tecnologia introduzidos nas análises clínicas; - as ferramentas de gestão; - a inserção de novos testes no mercado e no rol de procedimentos - mais de cinco mil tipos diferentes de exames disponíveis; - a qualidade dos serviços; - a tecnologia da informação – TI; - a mudança no perfil do paciente, que passou a ser mais exigente; por fim, a utilização de testes laboratoriais direcionados à prevenção de doenças que será cada vez maior nos laboratórios.

Como foi a escolha da expansão para Ouro Preto?

Todo início é difícil, insegurança de um futuro próximo devido a clientela ser pequena, mas defini que precisava expandir. Optei pela cidade de Ouro Preto por estar próxima e por conhecer o potencial que poderia ser explorado. Estar presente próximo de lá foi imprescindível para a manutenção das atividades com qualidade.

O laboratório é muito querido pela comunidade. O que você acha que contribui para essa percepção?

Acredito que a prestação de serviço deve ser de forma justa e harmônica, com seriedade, ética, respeito e comprometimento, desenvolvendo uma gestão em que inspire confiança dos colaboradores e dos clientes. Vejo no reconhecimento o que é de mais importante na vida de um profissional comprometido.

O laboratório possui certificações de qualidade reconhecidas nacionalmente, e é o único acreditado na região. Como você acha que se pode transmitir essa qualidade para o paciente?

Não podemos trabalhar sem pensar na gestão se quisermos obter sucesso e entender bem do seu negócio. Desde a fundação fazemos uma gestão pautada na ética e em melhorias constantes na prestação de serviços em prol da saúde dos nossos clientes/pacientes. Com a legislação vigente, os pacientes ficaram mais exigentes, e isso fez com que nos adaptassemos ou ficaríamos fora do mercado.

O laboratório participa desde 1998 do PNCQ – Programa Nacional de Controle da Qualidade patrocinado pela Sociedade Brasileira de Análises Clínicas, obtendo durante todo o período a avaliação EXCELENTE. No ano de 2000 foi Certificado pelo Sistema ISO 9000 e em 2006, foi acreditado pelo DICQ – SBAC.

Muitos pacientes não percebem a qualidade dos laboratórios. Onde os laboratórios erram em divulgar a Qualidade?

Muitos laboratórios focam muito em Qualidade na área técnica, não comunicando com o público todos os benefícios do laboratório. Nos esforçamos em mostrar para a comunidade tudo que o nosso laboratório oferece, inclusive os certificados que atestam nossa qualidade.

Hoje vocês possuem coleta domiciliar. Quais são as maiores dificuldades enfrentadas pelo laboratório?

Primeiramente localizar o endereço informado pelo paciente - perdemos tempo entre uma coleta e outra. Outro incômodo, é ficar esperando o paciente/cliente se levantar, ir ao banheiro, e se preparar para a coleta. O ideal seria ele já estar a disposição para a coleta. O laboratório continua atendendo hospitais até hoje. O que muda na rotina de um laboratório que atende hospital?

O atendimento hospitalar deve ser encarado com o mesmo profissionalismo, tanto dos gestores como dos colaboradores. Para isso, é necessário entender o funcionamento do hospital para que não sofra solução de continuidade dos processos. É preciso estar aberto para a possibilidade de discussão com o corpo clínico sobre os resultados obtidos, e garantir a agilidade com segurança na liberação dos laudos.

Atualmente, você conta com a ajuda de sua filha Érica na Administração do Laboratório. Como você acha que a divisão das responsabilidades ajudou na competitividade do laboratório?

Além da parte técnica, a Dra. Érica Machado possui muitas qualidades que auxiliam na gestão do nosso laboratório.

Quais são as estratégias de Marketing que o laboratório utiliza atualmente para se conectar com o público? Utilizamos alguns folders de conscientização do paciente para a coleta e interferências medicamentosas, além de divulgação de check-ups, e outros benefícios oferecidos, como a prioridade para quem realiza o cadastro no dia anterior.

Nas estratégias on-line, recentemente modernizamos nosso site para continuar moderno e atual, com a compatibilização para smartphones e tablets. Também temos um Facebook onde publicamos com o auxílio de uma equipe os principais assuntos referentes à saúde e a análises clínicas.

Vocês dois ainda participam ativamente de cursos e congressos para atualização. Qual a importância desses eventos para os gestores?

Sabemos que o setor de Análises Clínicas está passando por momentos difíceis. Desde 1994 a tabela de procedimentos do SUS não sofre reajustes e a tendência dos últimos anos foi ainda fortemente impactada pela “crise brasileira”: grandes desafios, instabilidades econômicas e políticas do país, manifestações, ocupações etc.

Mas o momento de crise é também de oportunidades, pois as atualizações, as inovações não podem parar já que são as atividades que mais fortemente impactam o futuro do país e da sociedade. Assim, nós gestores de Laboratórios, somos levados a aprender como fazer mais com menos, co-criando novas formas sustentáveis de se adaptar ao contexto presente e projetar o futuro. Nessa necessidade, permanente, de se reinventar para o futuro. A nossa participação em seminários, fóruns, congressos e outros eventos é uma oportunidade de acompanharmos a evolução científica e conhecer o que há de mais recente nas feiras do setor.

Dr. Vanderlei agraciado com a Medalha da Escola de Farmácia de Ouro Preto

Você participa ativamente de Sociedades, Conselhos e Universidade e foi recentemente nomeado Presidente da Funed, instituição de referência nacional no desenvolvimento de soros, vacinas e medicamentos para o Sistema Único de Saúde (SUS). A que se deve tanto engajamento?

Sempre gostei de fazer algo fora do contexto profissional, em que pudesse ajudar tanto nas associações filantrópicas quanto as entidades de classe e política. Em todas, pude mostrar com ajuda dos demais colegas de diretoria que poderíamos, com seriedade, administrar um órgão público tornando-os respeitados.

Agradecemos a entrevista do Dr. Vanderlei Machado, e desejamos muito sucesso no Laboratório Vanderlei Machado!

Se você quer saber mais sobre o Laboratório Vanderlei Machado acesse:

www.vanderleimachado.com.br https://www.facebook.com/labvanderleimachado/

#Laboratórioqueencanta