whatsapp.png

Faça parte da nossa rede de apoio ao empreendedorismo laboratorial e receba notícias em seu e-mail e material bônus em seu Whatsapp. 

Clique e conheça nossos apoiadores:

Logo aceleralab.png
Cepheid-logo-horizontal.png
SBAC.png
logo.png

Insights do cenário das análises clínicas em 2019


Depois das muitas conversas que o aceleralab teve com pessoas brilhantes na última semana, uma pergunta ficou martelando nossas cabeças por algum tempo: qual será o cenário dos laboratórios de análises clínicas para 2019? Muito além das mudanças político-econômicas que se desenham para o país, o mercado da saúde ainda está em uma transformação de modelo de negócio, que envolve insumos a preços flutuantes e totalmente dependentes do câmbio, novos modelos de remuneração de operadoras de saúde e a tentação de terceirizar a análise de exames. Em um mundo totalmente novo para os laboratórios com mais de 20 anos de história, a reinvenção não é uma opção: é requisito básico para continuar no mercado.

Envelhecimento Populacional

Apontado por especialistas do mercado como uma das causas do aumento do custo na saúde suplementar e pública, o aumento da idade da população aumenta também a necessidade de monitoramento e manutenção da saúde. Com uma população mais idosa frequentando o laboratório, é preciso adaptar-se às necessidades desse público, além de oferecer adaptações para o conforto da coleta de pessoas com baixa mobilidade.

Os idosos também acabam visitando o laboratório com mais frequência do que as pessoas mais novas, e faz-se necessário montar algum pacote de benefícios e serviços para fidelizar esse público e garantir que ele continue voltando. Atendentes pacientes que sabem falar pausadamente, bem como oferecer a atenção que esse público precisa, são ótimas aliadas para tal.

Doenças Crônicas

As campanhas relacionadas à saúde e os meses coloridos não são meras publicidades: o número de doenças crônicas vem aumentando nos últimos anos. Pelo menos 40% da população adulta brasileira, ou 57,4 milhões de pessoas, possui pelo menos uma doença crônica não transmissível. A hipertensão arterial, o diabetes e o colesterol alto (fator de risco cardíaco) são alguns dos problemas responsáveis por 72% das causas de morte no brasil.

Os principais responsáveis são: tabagismo, consumo abusivo de álcool, excesso de peso, níveis elevados de colesterol, baixo consumo de frutas e verduras, e sedentarismo. A tendência é que esse hábito seja combatido com mais intensidade em 2019, e que os pacientes sejam estimulados a monitorar a saúde com mais frequência.

O laboratório pode se antecipar e procurar conscientizar a população sobre os exames e formas de combater essas doenças que afetam a qualidade ao longo da vida.

*Dados inéditos da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS)

Variações do câmbio

Analisando os gráficos da variação do dólar, comparando seu valor ao mesmo período do ano anterior, percebe-se um aumento de 32,06%. Isso significa que se você compra equipamentos e reagentes, possivelmente os valores foram reajustados nessa proporção. Por conta disso, é necessário analisar o quanto essas contas interferem nos seus custos do laboratório, pois existem grandes chances de que você tenha que repassar algum desses reajustes em suas tabelas de preços. Identifique o quanto representa o aumento do insumo de fato na sua estrutura de custos para não repassar o custo de forma agressiva. O momento é de recessão para todos os mercados.

Os novos modelos das Operadoras de Saúde

A remuneração por exame é a forma mais comum de pagamento das operadoras de saúde para os laboratórios. Dessa forma, é tentador aumentar o número de exames realizados por atendimento para aumentar os lucros. No entanto, a qualidade do atendimento pode ser um divisor de águas para tabelas padronizadas, pois até usuários de planos de saúde buscam serviços diferenciados a preços premium. Com isso, Operadoras de Saúde podem começar a procurar laboratórios com melhores condições de atendimento, e remunerando-os de acordo com os serviços que entregam e a qualidade que oferecem: quanto mais humanizado e centrado no paciente, maior a remuneração. Acreditações podem servir de validação e favorecer os laboratórios nesse sentido.

Pequenas Empresas, mas com capital humano

Por conta da crise ou em busca de melhores oportunidades, o número de pequenos e médios empresários vem crescendo nos últimos anos. Isso significa que pode aumentar a demanda por serviços relacionados à saúde ocupacional. São novos contatos e abordagens para assegurar a saúde dos sócios e colaboradores que antes se concentravam em grandes empresas.

Planos de atendimento extensivo aos familiares desses colaboradores também são um grande diferencial para atrair e fidelizar esse público. Lembre-se que em pequenas empresas, nem sempre é viável a adoção de planos de saúde convencionais.

Escolha certa das rotinas terceirizadas

Com preços muito competitivos, hoje é possível terceirizar 100% das análises clínicas feitas pelo laboratório. Mas o que parece ser uma grande estratégia visando a economia pode esconder uma miopia de atendimento: passa-se a demorar mais para entregar os resultados por conta da logística, e nem sempre o paciente pode esperar pelo resultado. É preciso ponderar o que é visto pelo seu mercado como análise de urgência, para ter um tempo de entrega mais competitivo.

Ainda é importante lembrar que quando um exame é entregue para o laboratório de apoio, você está confiando o nome e a credibilidade do seu laboratório a um terceiro, portanto é imprescindível confiar nos laboratórios que fazem as rotinas que por algum motivo específico você não consegue atender.

Se você tem alguma visão para compartilhar conosco, entre em contato. Ficaremos felizes em saber a sua opinião sobre o mercado, seja nos comentários ou de forma privada, através do contato@aceleralab.com.br .