patrocinadores.png
Cepheid-logo-horizontal.png
Ativo 1.png
logo.png
whatsapp.png

Receba nossas atualizações por Whatsapp! Gratuito, relevante e aplicável.

Identidade Visual: Qual é a “Cara” do seu Laboratório?



Dizem que não se deve julgar pelas aparências, mas há muitos momentos em que nossa apresentação vai determinar se uma relação seguirá adiante. Na esfera pessoal, elegemos certas cores que nos favorecem, certo estilo de vestir que expressa quem somos e no que acreditamos, e mesmo certo modo de falar que representa nossa cultura e objetivos. Se isso vale para relacionamentos pessoais e profissionais, vale igualmente para as interações entre empresa e público.


Afinal, também se diz que a primeira impressão é a que fica. E no universo dos laboratórios de análises clínicas, serão os elementos gráficos que compõem a imagem desse empreendimento, disponível em redes sociais e peças de marketing - quase sempre o primeiro contato que o público terá com o laboratório - que irão dizer quem ele é. É sua identidade visual.


Essa identidade visual vai além da escolha, por vezes aleatória, de formas, cores e símbolos que nos pareçam agradáveis. Esses itens devem “conversar” entre si, contando todos a mesma história, e essa história em forma de impressões visuais equivale a uma apresentação ao cliente. Daí a importância de eleger elementos que realmente representem a proposta do laboratório, o que ele quer oferecer ao mercado, e que “falem” por ele, dando ênfase ao que importa. Isso se chama narrativa visual.


Mas como encontrar o tom certo dessa narrativa? Confira aqui as etapas do caminho para melhor expressar sua identidade:



Conheça a Si Próprio


Antes de estabelecer como vai se apresentar, óbvio, você tem que saber quem você é. Aqui, cabe uma releitura de sua missão, visão, objetivos e valores. Qual é o bem abstrato mais precioso que você quer oferecer aos clientes? É a excelência técnica, o conhecimento de vanguarda, a tecnologia de ponta? Então talvez seu jeito de “vestir” o laboratório deva ser assim, moderno, enxuto, com um toque futurista hightech.


Mas se, por outro lado, sem descuidar da tecnologia, você valoriza mais a ideia de um espaço humanizado, tradicional e acolhedor, ligado a valores regionais e que remeta à cultura local, forjando uma relação de familiaridade e reconhecimento mútuo com os clientes, são essas ideias que devem ser representadas nas escolhas visuais de tudo que o representará visual e esteticamente.



Conheça seu Público


Óbvio que esta é uma pergunta essencial de qualquer empreendimento, mas ela assume certa especificidade quando se trata de sua identidade visual. De nada adiantará escolher uma estética extremamente moderna, minimalista, arrojada, se o seu público é conservador, apegado à tradição, pouco incluído digitalmente e não gosta de muitas novidades. Para eles, um espaço desconhecido pode soar hostil, e em lugar de provocar adesão, pode criar justamente o contrário: aversão. Esse é o tipo de público que gostará das coisas mais “mastigadinhas”, imagens que eles reconheçam facilmente, representações que não desafiem seu entendimento, que eles associem com algo já conhecido.


Já se o seu público é predominantemente urbano, conectado com novas linguagens, e tem uma visão mais pragmática das relações de prestação de serviços, uma imagem que evoque agilidade, eficiência, e até mesmo uma certa impessoalidade, pode funcionar melhor. Numa sociedade que cada vez mais rapidamente desconstrói estereótipos, é arriscado associar essas preferências com fatores como classe social, escolaridade, gênero ou faixa etária, mas ainda é válido agregar essas informações também ao levantamento prévio, antes de partir para a elaboração de como você vai se apresentar ao público.



Conheça a Concorrência


Além de expressar quem você é enquanto laboratório, e de saber “falar” aos olhos do seu público predominante, sua identidade visual deve ser, claro, muito sua. Nada é mais antipático do que imitações, mesmo que involuntárias, ou apresentar um visual que em lugar de fazer uma poderosa afirmação da sua personalidade, parece apenas “mais do mesmo”. Por isso, faça uma breve pesquisa pelos sites e redes sociais dos seus concorrentes, pesquisando como eles são e como você pode se salientar em meio a eles de forma inequívoca.



Procure Assessoria Especializada


A maioria das pessoas prefere decorar sua casa ou escolher seu figurino sem ajuda de terceiros, a não ser algumas dicas e sugestões. E está tudo bem. Porém é visível a diferença de quem é assessorado por um estilista profissional ou um decorador nessas tarefas, não é? O mesmo vale para o visual do seu laboratório. Você pode até achar que baseado em seu gosto pessoal e conhecimentos, fará um trabalho razoável na seleção de elementos gráficos e estéticos, e é bem possível que faça, mas existem conhecimentos especializados que só o preparo e a experiência de profissionais da mídia podem disponibilizar. São detalhes que fazem toda diferença:


  • Cores: estudos determinam as cores que mais se harmonizam com determinados segmentos e produtos. Talvez você seja fã do vermelho, e pense que não tem como errar utilizando essa linda cor… Pois saiba que azul e verde são cores preferenciais para serviços de saúde! OK, basta ir de azul e verde então? Não, claro que não. A gama de tons é praticamente infinita, a cor não deve ser usada sempre no mesmo tom em todos os projetos, nem é tão fácil determinar onde aplicá-la. Essa é uma expertise que só pessoal qualificado pode te fornecer.


  • Formas: Assim como as cores, as formas também são objeto de estudo da psicologia. Formas redondas costumam ser associadas a harmonia, positividade, suavidade e acolhimento. Já as angulosas, como triângulos, são associadas a poder, energia, dinamismo e inovação. Para as quadradas e retangulares, restam as percepções de segurança, confiança, racionalidade e compromisso. Como combiná-las para dosar exatamente o que se quer passar, seja no logotipo ou em outros elementos de sua imagem, sem pesar nem perder a mão? Pergunte a quem sabe.


  • Fontes gráficas: as fontes, ou os tipos de letras, são um capítulo à parte. Como elas são desenhadas, seu tamanho, e a própria hierarquia de tamanhos entre os diversos tópicos de um site, por exemplo, farão imensa diferença, e o auxílio de um designer gráfico vem para indicar, entre as milhares de fontes disponíveis, qual delas passa melhor sua ideia, combina com sua proposta e é agradável ao seu público. Imagine por exemplo um site inteiro escrito em fonte cursiva. Não, você pode até achá-las interessantes, mas elas precisam funcionar para o seu objetivo.


  • Criatividade e bom gosto: Você já viu aqueles rótulos e anúncios de produtos antigos, onde todas as imagens são muito realistas e cheias de detalhes, como o pote da manteiga Aviação ou a lata da pomada Minâncora? Bem, eles são clássicos e funcionaram muito bem em seu tempo, mas hoje o consenso é por utilizar imagens com referências menos óbvias. Por exemplo, em lugar de um microscópio, um logo estilizado que lembra um microscópio sem ser tão literal. Esses são toques de sofisticação e contemporaneidade que farão diferença no seu visual, e o designer gráfico tem muitos deles a oferecer.


Bem, isso quer dizer que você não poderá opinar nem se divertir na escolha de sua imagem? Claro que não! As escolhas finais sempre serão suas, mas serão escolhas informadas, baseadas em quem tem experiência e conhecimento do mercado. O trabalho da agência não é mudar sua essência, e sim ajudar a revelar a melhor versão daquilo que você - no caso, seu laboratório - já é! Se você anda precisando de uma boa repaginada, venha conversar com o Aceleramarketing, a agência de marketing especializada em saúde do Aceleralab. A gente vai adorar ver seu empreendimento de cara nova!