whatsapp.png

Faça parte da nossa rede de apoio ao empreendedorismo laboratorial e receba notícias em seu e-mail e material bônus em seu Whatsapp. 

Clique e conheça nossos apoiadores:

Logo aceleralab.png
Cepheid-logo-horizontal.png
SBAC.png
logo.png

5 Sinais de que seu Colaborador está Sobrecarregado


A realidade laboratorial exige que cada colaborador tenha a sua capacidade produtiva bem desenvolvida. Depois de um processo de aprendizagem organizacional, alguns funcionários acabam se destacando, não apenas pela produtividade, mas também pela sua competência e responsabilidade. O problema de tal destaque é quando eles ficam sobrecarregados, o que gera estresse, esgotamento e desmotivação no trabalho. Por isso, na pauta de hoje, comentaremos sobre os sinais que evidenciam que o seu colaborador pode estar sobrecarregado.

Avaliando a produtividade

Para descobrir se o colaborador está sobrecarregado, o primeiro passo é avaliar a produtividade média da equipe, que serve como parâmetro de análise. Essa aferição se torna mais fácil quando há mais de um colaborador na mesma função e quando o sistema do laboratório suporta tal análise. Com os dados em mãos, o gestor tem um termômetro de produtividade, que o ajuda a identificar indícios de sobrecarga de trabalho.

Respeitando as diferenças

A produtividade nem sempre é linear. Alguns colaboradores podem estar passando por momentos difíceis na vida pessoal, o que pode refletir no campo profissional. Sendo assim, torna-se necessário realizar ponderar antes de tomar qualquer medida. Ao identificar uma baixa na produtividade do colaborador, tente conversar com ele para entender o que está acontecendo.

Vamos aos sinais de sobrecarga no trabalho:

5 sinais de que o seu colaborador está sobrecarregado

Baixa produtividade

Por mais contraditório que possa parecer, após um período de superprodutividade, a tendência é que haja uma queda na produção. Isso ocorre devido ao desgaste sofrido pelo colaborador, que, inclusive, pode desenvolver a Síndrome de Burnout (ou Esgotamento Profissional), definido pelo Ministério da Saúde como “um estado físico, emocional e mental de exaustão extrema, resultado do acúmulo excessivo em situações de trabalho que são emocionalmente exigentes e/ou estressantes, que demandam muita competitividade ou responsabilidade, especialmente nas áreas de educação e saúde.” Recentemente, a Síndrome foi incluída na Classificação Internacional de Doenças da Organização Mundial da Saúde (OMS). Leia aqui.

Os sintomas que podem indicar a Síndrome de Burnout são:

- Cansaço excessivo (físico e mental);

- Dor de cabeça frequente;

- Alterações no apetite;

- Insônia;

- Dificuldades de concentração;

- Sentimentos de fracasso e insegurança;

- Negatividade constante;

- Sentimentos de derrota e desesperança;

- Sentimento de incompetência;

- Alterações repentinas de humor;

- Isolamento;

- Fadiga;

- Pressão alta;

- Dores musculares;

- Problemas gastrointestinais;

- Alteração nos batimentos cardíacos.

Deste modo, ao notar que o colaborador parece estar com algum problema psicológico, o gestor pode orientá-lo a procurar por ajuda profissional.

Piora na qualidade

A sobrecarga pode afetar a eficiência e eficácia dos colaboradores. Quanto maior a demanda, maior é a velocidade das entregas, e, com isso, alguns cuidados, como a revisão do trabalho a ser entregue, podem ser deixados de lado. Quando os resultados não condizem com o padrão geralmente apresentado pelo colaborador, causando aumento nos erros e interferindo na qualidade das tarefas, pode ser que ele esteja sobrecarregado.

Absenteísmo/Atrasos

Com o aumento de trabalho, é comum que os colaboradores queiram evitar o ambiente do laboratório, ou até mesmo passem mais tempo no intervalo. Quando essa atitude se tornar frequente, convém examinar a distribuição das atividades dentro da empresa para identificar a sua causa. O gestor deve redobrar a atenção quando os colaboradores, que não têm um histórico de atrasos e absenteísmo (justificados ou não), começarem a apresentar o problema.

Negatividade

Muitas vezes, é perceptível a mudança de comportamento dos colaboradores sobrecarregados. A motivação começa a desaparecer, comportamentos mais explosivos se tornam mais frequentes, os níveis de irritabilidade aumentam, e os hábitos de trabalho mudam completamente. Com isso, a negatividade e o distanciamento dos colegas podem ser alguns sintomas aparentes do excesso de trabalho.

Problemas de saúde

O estresse no trabalho pode causar distúrbios no sono, irritação gastrintestinal, depressão, mudança de apetite, e abuso de álcool ou outras drogas. Quando o funcionário começa a faltar ao trabalho com certa frequência para ir ao médico, esse pode ser um sinal de que ele possa estar passando por algum tipo de estresse. Por isso, é importante tentar identificar a sobrecarga antes que isso se torne um problema, tanto para a empresa como para o colaborador.

Quando a sobrecarga está na gestão

Gestores de laboratórios, principalmente os que estão localizados em pequenas cidades, tendem a centralizar o maior número de funções em si mesmo, para garantir a qualidade e segurança das entregas. No começo, isso até pode funcionar bem, mas com o aumento da demanda, decorrente do crescimento do laboratório, aumentam-se também as responsabilidades e a quantidade de entregas; com isso, o gestor pode acabar mais sobrecarregado do que os próprios funcionários.

Os problemas decorrentes da sobrecarga na gestão podem ganhar maiores proporções dentro do laboratório, já que afetam também o psicológico da equipe e a qualidade dos processos e das entregas. Por isso, ao se sentir sobrecarregado, o gestor deve delegar mais tarefas, ou, caso a situação tenha se agravado, procurar ajuda psicológica para entender a origem do problema.