whatsapp.png

Faça parte da nossa rede de apoio ao empreendedorismo laboratorial e receba notícias em seu e-mail e material bônus em seu Whatsapp. 

Clique e conheça nossos apoiadores:

Logo aceleralab.png
Cepheid-logo-horizontal.png
SBAC.png
logo.png

7 Estratégias Operacionais de Gestão de Pessoas


Em cursos de formação de gestores, é comum ouvirmos afirmações do tipo: “as pessoas são o principal ativo de uma empresa”. De fato, a gestão de pessoas é uma estratégia eficiente e necessária para todo e qualquer negócio, em especial, para a área laboratorial. Diante disso, trouxemos sete estratégias que podem ser utilizadas para a gestão de pessoas, com foco nos colaboradores.

Saindo da visão mecanicista dos recursos humanos

O primeiro estudos sobre pessoas dentro da organização eram chamados de Recursos Humanos (RH), pois se tratava de uma área que atuava meramente com burocracia, já que apenas fiscalizava as tarefas executadas pelos empregados. Entre as atividades desenvolvidas pelo setor de RH, as que possuíam mais destaque eram: a folha de pagamento, os procedimentos de contratação do trabalhador e o controle dos registros da jornada de trabalho. Durante a era industrial, como as pessoas eram vistas como simples recursos, não se considerava a capacitação e a qualificação profissional, e eram exigidos basicamente técnica e experiência.

O termo “gestão de pessoas” começou a ser empregado quando as organizações começaram a se dar conta de que a origem da produção e do consumo estava centrada nas pessoas. Dessa forma, a área de recursos humanos se tornou tão importante quanto os recursos financeiros e tecnológicos, e, atualmente, as empresas são muito mais valorizadas pelo seu capital intelectual humano do que pelo capital financeiro. Na área laboratorial, em que a equipe costuma ser mais enxuta, e o serviço, o protagonista, olhar para a gestão de pessoas é um dos fatores-chave para se alcançar o sucesso.

Descubra agora sete estratégias de gestão de pessoas que contribuem para o desenvolvimento humano do laboratório.

1) Remuneração

A remuneração é a estratégia mais utilizada para incentivar e motivar os colaboradores. Os resultados alcançados com esse tipo de estratégia afetam diretamente o clima de competitividade na empresa, pois, quando os funcionários percebem que estão sendo remunerados de acordo com seus resultados e as responsabilidades assumidas, a tendência é que eles se comprometam mais com os objetivos da empresa. Ao se utilizar essa estratégia, é importante que os critérios de remuneração estejam bem definidos e claros para todos os colaboradores, de modo a se evitar qualquer injustiça e conflitos internos gerados pelo excesso de competitividade.

2) Relação de trabalho

Em um ambiente empresarial, existem inúmeras regras sobre a forma com que se dão as relações de trabalho com os colaboradores. Inclui-se aqui desde a jornada de trabalho, a política de horas extras, a forma de negociar uma ausência e a programação das férias. Cada dia que passa, as relações de trabalho estão caminhando para um acordo entre os colaboradores e gestores. Com isso, percebe-se uma forte valorização de suas necessidades por parte da empresa, como o fato de precisar acompanhar um familiar numa consulta ou de ter que cuidar de um filho doente em casa.

3) Treinamento e desenvolvimento do colaborador

A gestão de pessoas vai muito além de selecionar, contratar, treinar e remunerar os colaboradores de um laboratório, ou seja, inclui a melhora da performance do atendimento, através do aproveitamento do potencial de cada colaborador, assim como a integração e motivação da equipe. Sendo assim, é papel do gestor garantir que o colaborador também se atualize no trabalho para garantir um melhor atendimento ao público, seja interno ou externo.

Antes de começar a aprimorar o desenvolvimento dos colaboradores, deve-se avaliar, em primeiro lugar, qual a relevância dos processos que estão sendo usados pela equipe para, posteriormente, averiguar quais podem ser melhorados com um treinamento.

4) Recrutamento e seleção

Sabemos das dificuldades de se contratar colaboradores com perfis aderentes ao trabalho desempenhado no laboratório. Por isso, mais do que focar na experiência do profissional, é preciso apostar nas habilidades que ele pode desenvolver ao longo do tempo. Realizar uma boa contratação é o primeiro passo para promover uma boa cultura de trabalho no laboratório. Para se aprofundar um pouco mais no assunto, você pode acessar um de nossos artigos, intitulado “O que Fazer na Falta de Profissionais Qualificados?”, que foi dividido em duas partes (1 e 2).

5) Comunicação com os funcionários

Para possuir uma gestão de pessoas eficaz, o laboratório deve ter uma comunicação interna fluida e clara, que transmita para o colaborador o sentimento de pertencimento. Uma boa comunicação tem espaço para o diálogo bilateral (e não apenas da gestão para os funcionários) e possibilita a interação entre líderes e gestões intermediárias. Além disso, proporciona a cultura do feedback construtivo e a participação das pessoas na tomada de decisão. Assim, fica mais fácil para o colaborador internalizar os valores corporativos do laboratório. Já publicamos aqui uma matéria sobre “3 Perguntas para Promover um Feedback mais Eficiente” (clique aqui); trata-se de um ótimo termômetro de diálogo sobre as questões humanas do laboratório.

6) Gestão da cultura e da mudança

A cultura de uma empresa é definida por todos que se relacionam com o estabelecimento. Segundo Beckhard, um teórico organizacional americano, a cultura organizacional é “um modo de vida, um sistema de crenças, expectativas e valores, uma forma de interação de relacionamento típicos de uma determinada organização”. Promover uma mudança de cultura, envolvendo todo o laboratório, gera tempo e muito esforço, pois requer um processo estruturado para liderar o lado humano da mudança e atingir um resultado de negócio desejado. Mais do que treinamentos, a postura cotidiana é um dos grandes pontos de atenção dessa estratégia de RH.

7) Administração de desempenho

Medir o desempenho e o nível de envolvimento dos colaboradores com o laboratório é a base para decidir sobre a necessidade de treinamentos, e acompanhar a produtividade e assertividade individual. Os melhores profissionais devem ser referência para conduzir treinamentos. Além disso, essa estratégia promove uma valorização desses perfis. A administração do desempenho é uma maneira de mostrar para o funcionário que o gestor está atento ao seu trabalho, avaliando e valorizando seu desenvolvimento e tomada de decisão. Em se tratando da administração de desempenho, o LIS pode ser um importante aliado na hora de medir os indicadores de produtividade dos seus colaboradores.

Você já utiliza quais dessas estratégias no cotidiano do laboratório? Não deixe de compartilhar conosco e com os demais leitores.

#RH